quinta-feira, 2 de abril de 2009

“NÃO CONFIO NA POLÍCIA, RAÇA DO CARALHO”


Estão cada vez mais comuns os títulos de crônicas com frases musicais do Racionais MC’s. É por causa deste tipo de reverência natural que eu me considero fã do grupo. Rafael Coelho recentemente me perguntou se a minha familiaridade com as letras advém dos simples fatos de eu morar na periferia, de eu acompanhar o tráfico de drogas em minha vizinhança desde pequeno e de eu conhecer de perto muitas das injustiças revoltantes ilustradas nas narrativas transformadas em canções. Será que eu precisei responder?

Mas não é sobre isso que quero falar agora, mas sobre outros infortúnios: assim que acordei, na manhã de hoje, decidi que não estava querendo ir para minha aula de Vetores e Geometria Analítica. O professor é ruim, a turma opaca e o conteúdo inicial da disciplina eu já possuo registrado em meu caderno em virtude de duas tentativas incompletas de passar na matéria (culpa da minha dislexia topográfica, gente!). Minha mãe havia ido à panificação da esquina, a fim de suprir a artofagia de meu irmão caçula Segundo os dicionários, artófago é aquele que prefere pães a qualquer outro alimento. Definitivamente, eu não sou assim, portanto, tive que me consolar com outra coisa. Na TV, um telejornal reportava um fato humilhante acontecido em São Paulo (se não me engano), em que, buscando R$ 900,00 roubados de alguém, policiais invadem um colégio e obrigam potenciais suspeitos adolescentes a ficarem completamente nus no meio de um pátio. Um advogado é entrevistado pela repórter e este diz que os policiais envolvidos no ato humilhante merecem prisão de pelo menos 6 meses e não simples afastamento de suas funções profissionais. Eu suspendo meu juízo acerca do caso, havia acordado de acordar e talvez tenha culpa imaginária neste cartório.

Lembrei que, na tarde de ontem, ao encontrar um amigo homossexual e relatar o espancamento homofóbico que um outro amigo sofrera no terminal D.I.A., brinquei que “por mais que sejamos contra as instituições coercitivas, nestas horas de desespero, a gente sempre busca o apoio policial”. Falei isso porque, evidentemente, o garoto espancado procurou os seguranças do local após receber um soco na nuca. Percebi a gravidade do que eu havia falado e brinquei novamente: “pelo menos nestas horas, a gente pode encontrar algum fardado sensual, não é não?”. Não acreditava de todo no que estava falando, mas precisava me convencer que, diante da falta de opções apresentada, este era o único consolo. Sorrimos ambos.

Voltando à manhã desta quinta-feira, meu irmão mais velho, Eleomar (41 anos, caminhoneiro, depressivo e viciado em material pornográfico desde a infância, segundo minha mãe) aparece em minha casa, exigindo R$ 15,00 de gasolina a nossa progenitora e, como compensação, levaria o aparelho de som defeituoso que se encontra no meio da sala, sobrevivendo à base de mp3. Consentimos. Quem sabe assim eu não veja de volta o meu CD do Kitaro que se encontra preso no referido aparelho? Gosto muito do japonês Kitaro e, por mais que suas canções de ‘new age’ sejam avacalhadas por quem protesta contra a comercialização de músicas antes somente devotadas à religiosidade oriental, não consigo deixar de me emocionar sempre que acompanho a única manifestação vocal do álbum “The Best of Kitaro” (1992), a faixa 07, cantada em inglês, “Agreement”:

“Observando este mundo através janela da vida,
Eu posso ver que tudo isto é real e é certo
E a distância de nosso verdadeiro entendimento ainda é longa,
Por causa de algo que nos faz querer mais e ver menos”


Como resposta a este impasse, o compositor da canção sugere que fiemos-nos em acordos de Confiança, Verdade Fé e Liberdade, firmados entre os homens, conhecidos ou não. Pois bem, são nestes acordos que me fio agora, pois tudo me faz lembrar... Tudo me faz lembrar!

Wesley PC>

2 comentários:

bazevani disse...

vamos exterminar essa raça do caralho.. pois nenhum pocilial vale um centavo.. todos corruptos.... é simples deixe um poilicial te parar e seu doc atrasado. é so dar 50,00 para o FDP que ele libera vc.. então a policia tem é que morrer tudo

Dayane Lourenço disse...

Concordo "NÃO CONFIO NA,POLÍCIA RAÇA DO CARALHO"....
Esses policiais são uns vermes,uns porcos que estão matando pessoas inocentes e ninguém vê isso....
Eu ñ confio em nenhum policial,pois pra mim policial bom é policial morto....