sexta-feira, 1 de abril de 2011

AINDA HÁ ESPAÇO PARA DIVOS GÓTICOS HOJE EM DIA? – Parte I

Ontem pela manhã, fui chamado de “diva gótica” por causa do modo como eu estava trajado. Não sei se só por causa disto, visto que algumas de minhas postagens contêm um potencial de lamúria caro ao que se convencionou chamar de clichê gótico. Além disso, eu gosto bastante deste estilo de música, tendo sido marcado na adolescência pela quantidade de vezes que repeti a magnífica seqüência de abertura do filme “Fome de Viver” (1983, de Tony Scott), em que o vocalista Peter Murphy aparece cantando o maior huno do grupo “Bela Lugosi’s Dead”, lançada como primeiro ‘single’ da banda em 1979. Com nove minutos e trinta e seis segundos de duração, eis o que ouvirei quando estiver caminhando para casa, mais tarde:

“The virginal brides file past his tomb
Strewn with time's dead flowers bereft in deathly bloom
Alone in a darkened room, the count
Bela lugosi's dead/ Bela lugosi's dead
Bela lugosi's dead/ Undead, undead, undead”


Obra-prima seminal, de um tempo em que até mesmo os clichês faziam sentido. Hoje em dia, eu pergunto: ainda há espaço para divos góticos? Ouso dizer que sim, que a semente lúgubre permanece ávida pelos regadores de quem ama e é oprimido pela decadência mundana, mas acho melhor voltar a este assunto, com mais propriedade, depois que sentir na pele tudo o que a compilação de ‘singles’ “Crackle – The Best of Bauhaus” (1998) tem a me oferecer...

Wesley PC>

Um comentário:

Michelle disse...

E pensar que esses caras eram ideais de beleza nos anos 80...

Amo esse filme, amo essa música.
Já ouviu a versão que o Opera IX fez para essa música? Tanto a música quando o video são ótimos!

Saudades de papear com vc!

Beijos