quarta-feira, 10 de abril de 2013

SOBRE PEIDOS E OS ROMANCES DA VIDA (IR)REAL:


Quando eu passava pela rua, deparei-me com uma motocicleta em altíssima velocidade, na qual pude perceber peidara de forma altissonante. Um transeunte sarcástico que ouviu o flato gritou: “ei, quando acabar o perfume, eu quero o frasco, viu?”. Achei muitíssimo estranha esta declaração de homossexualismo ativo. Pena que o transeunte não fazia o meu tipo (risos)...

Excetuando-se o fato de isto não ter ocorrido nesta terça-feira, o relato é verídico: eu presenciei tal inusitada cena! Relembrando-a, aliás, eu caminhava e, quando cheguei à casa de um ser humano que me alegra simplesmente por estar deitando diante de mim, alisei-o com fervor e desejo, mesmo após ele ter ejaculado.

Após adormecer, enviei uma mensagem de celular carinhosa para o rapaz, enquanto preparava-me para ver na TV uma bizarra e encantadora estória fílmica de amor: “O Futuro” (2011, de Miranda July), sobre um casal que pretende adotar um gatinho machucado e personificado enquanto gracioso narrador, mas que, antes de pôr em prática este intuito zoofílico, mergulha numa crise conjugal que descamba para as mais inusitadas vertentes enredísticas. Não posso contar: só vendo para crer e se emocionar! Muito bom o filme! E meu “frasco” continua cheio de perfume (risos)...

Wesley PC> 

Nenhum comentário: