segunda-feira, 20 de junho de 2011

“NÃO DIGA PRAZER, DIGA SATISFAÇÃO”...

Assim proclamou uma trans-sexual que conheci na tarde de hoje, à frente de um grupo de discussão contra a homofobia, brincando com a polissemia cara a alguns termos. Por ironia bem-vinda, uma discussão invertida acerca dos problemas polissêmicos entrou em voga na discussão, quando eu defendi a minha necessidade pessoal de servir-se do termo HOMOSSEXUALISMO como designativo de militância discursiva revoltosa. Não sei se fui bem-entendido, mas, para além de alguns temores em relação à vindoura institucionalização do grupo pró-diversidade sexual que acabara de conhecer, gostei da coesão heterogênea do mesmo: há muitas e muitas possibilidades de que vingue...

Terminada a reunião, interagi com amigos, brinquei e sorri. Tencionava comprar um jornal nacional de grande relevância analítica, mas as todas as edições já haviam se esgotado nas bancas que pesquisei. Cheguei em casa com fome e liguei a TV. Deparei-me com um péssimo videoclipe, de um tal de Bruno Mars. Tratava-se de “The Lazy Song”, canção sobre um mauricinho preguiçoso, que não gosta de ter trabalho e demonstra para a câmera como planeja transar com uma garota. Alguns dançarinos fantasiados de macacos auxiliam o péssimo cantor na demonstração de seu erotismo. Odiei a canção e o que ela representa, mas não serei hipócrita de dizer que, formalmente, houve algo no videoclipe que me seduziu: quando eu desliguei a TV, estava excitado, com uma ereção, precisando “desabafar”. Quem diria? Parafraseando novamente a trans-sexual que conheci mais cedo, é por isso que dizem que não se pode pensar com a cabeça de cima e a de baixo ao mesmo tempo (risos). Estou quase envergonhado, mas... Com instintos sexuais não se brinca!

Wesley PC>

4 comentários:

iaeeee disse...

kkkkkkkkkk, foi bacana!

Pseudokane3 disse...

E eu estou QUASE com vergonha (kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk)

Tu já viste este clipe, Americozinho? Detestaste-o? Ficaste de pau duro também? (kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk)

WPC>

L. Icchelus disse...

Tuas obras são tão fascinantes intelectual e promiscuamente falando que temo ter orgamos quando leio. Não vou admitir que uns já vieram e foram suprimidos.

Superb.

E agradeço já pela sua honrosa e memorável participação na minha tao humilde Odisséia de aprender como se escreve para pessoas - não para deuses. Gratíssimo.

Pseudokane3 disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Eu é quem agradeço, sempre!

WPC>