segunda-feira, 18 de abril de 2011

O PÊNDULO BAIXO DA CICLOTIMIA – EXEMPLO 3: EU SEI, EU SEI, EU AGÜENTO!

Será que eu agüento mesmo? Vendo “Alma em Suplício” (1945), melodrama policialesco de Michael Curtiz, no último domingo, vi-me diante de diversos clímaxes envolvendo a traição de uma filha em relação à sua mãe solícita. Ingrata e ambiciosa, esta garota não hesita em beijar o gigolô por quem sua mãe é atraída, pouco se importando para a dor que causaria no coração daquela que lhe trouxe ao mundo. Numa cena surpreendente, a filha estapeia a mãe numa escada, cena que se torna ainda mais chocante quando sabemos que a mulher estapeada pela própria filha é interpretada por Joan Crawford, atriz com olhar malévolo por excelência, mal-falada na vida real justamente por detratar a sua filha. E, noutra cena, o que se vê nesta foto não é necessariamente um indicativo de romance benfazejo. Aí, um rapaz um tanto afetado que trabalha comigo pergunta: “por que é que tu és uma pessoa solitária, Wesley? Tu já devias estar com alguém ao teu lado”... Eu ri, desdenhando do apelo melancólico que esta insinuação me causou: “deve ser porque tenho 30 anos de idade”...

Wesley PC>

3 comentários:

Fanto/Nick Balboa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fanto/Nick Balboa disse...

O gigolô às vezes é tudo que nos sobra...

Pseudokane3 disse...

No meu caso, nem isso mais, meu dinheiro acabou-se...

mas, eu tento, juro que tento...

WPC>