quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

SÓ A SURRA DE BOCETA QUE NÃO FUNCIONOU MUITO BEM, EM MINHA OPINIÃO!

Em dúvida acerca do que assistir na noite de ontem, optei por “A Noite das Taras (1980), clássico brasileiro da pornochanchada, em que as aventuras sexuais de três marinheiros eram narradas e apresentadas sexualmente ao público. No primeiro episódio, “A Carta de Érico” (dirigido por John Doo), um recruta maroto precisa entregar uma carta a uma mulher que tenta insistentemente se matar; no segundo “Um Peixe Fora D’Água” (de David Cardoso), uma bela mulher oferece-se sexualmente a um grumete, a fim de que ele cometa um crime por ela; e, no terceiro, “Júlio no Paraíso” (de Ody Fraga, roteirista principal do filme como um todo), um grupo de meninas hipongas atira-se sobre um marinheiro mais velho, com o intuito de matá-lo de tanto fazer sexo, a fim de roubar os seus pertences. Com exceção deste último episódio, apreciei deveras o modo como o sexo é coerentemente apresentado enquanto ferramenta tramática nos episódios, excitando-nos ao mesmo tempo em que nos enternece (vide a beleza composicional das tentativas de suicídio no 1º episódio) ou nos faz rir (vide o título desta postagem, que faz menção à prática corrente das hipongas assassinas). Muito bom mesmo!

À medida que vou conhecendo mais exemplares desta fase pouco apreciada, infelizmente, de nossa cinematografia nacional, mais vou percebendo o quanto o pretensioso David Cardoso é talentoso em suas obsessões erotógenas, de maneira que já estou particularmente interessado na continuação deste filme, que será exibido no final de semana, no Canal Brasil. Na década em que nasci, este era o tipo de filme que fazia a alegria dos masturbadores de plantão. Considerando-se a qualidade elevada destas produções eróticas, não tem como não se sentir tomado pela mais ferrenha nostalgia, em comparação com as más produções pornográficas de hoje em dia. Gostei muito! Se bem que, talvez por estar sonolento, não curti por completo a surra de bocetas do episódio final. Acho que sou demasiado moralista e me incomodei com a associação do sexo à criminalização justificada (risos). Mas recomendo o filme mesmo assim!

Wesley PC>

3 comentários:

Debs Cruz disse...

Falei de pornochanchadas que tinha assistido esse fds, pra Fael(Coelho).
rs
Eu acho mais engraçadas do que eróticas
kkkkkkkk

Pseudokane3 disse...

Na verdade, acho este termo enganoso (pornochanchada), pois generaliza demais e tal... Algumas são, de fato, hilárias, mas AS SEIS MULHERES DE ADÃO, que vi ao lado de Américo, excita muito sim...

Este que comentei aqui é demasiado dramático, apesar das aparências. Gostei muito! Digo mais: acho um sub-gênero nacional político sim. Acho que subestimam. Chuif, chuif...

Separarei algumas para vermos juntos, visse?

beijo.

WPC>

iaeeee disse...

então... esse das mulheres de Adão foi uma surpres erótica! kkkkkkkk

precisamos ver esses filmes nós três juntos, não? para dilatarmos nossas pupilas! kkkkkkkk


Américo