quinta-feira, 18 de junho de 2009

POR QUE EU DEVERIA ESTAR NO CONCERTO DE MICHEL LEGRAND, HOJE À NOITE?


1 – Porque eu sou destes que se apaixonam;

2 – Porque ele já está com 77 anos de idade e talvez não volte mais ao Brasil, que dirá a Sergipe;

3- Porque suas trilhas sonoras já me fizeram chorar várias vezes: se em “Viver a Vida” (1962, de Jean-Luc Godard) eu me enterneci com a situação da jovenzinha deslumbrada que queria ser atriz e termina como prostituta assassinada; se em “Crown, o Magnífico” (1968, de Norman Jewison), eu me enterneci com a percepção de que existem coisas mais importantes no mundo que as riquezas terrenas; e se em “Verão de 42/ Houve uma Vez um Verão” (1971, de Robert Mulligan), eu me enterneci com o peso das lembranças, com a impugnação do sexo agônico na mente desesperançosa de um jovem; em “Os Guarda-Chuvas do Amor” (1964, de Jacques Demy), visto na foto, meu coraçãozinho adolescente foi lancinado pela descoberta da compensação, pelo recurso à segunda opção, pelo conformismo da paixão dolosa... Grande compositor!

“Non je ne pourrai jamais vivre sans toi
Je ne pourrai pas, ne pars pas, j'en mourrai
Un instant sans toi et je n'existe pas
Mais mon amour ne me quitte pas”


Ao final, por mais que se diga que se pode viver sem alguém, se vive, se vive, se vive...

Wesley PC>

Um comentário:

jonas-16 disse...

Ele é mil vezes fodaaaaaa