terça-feira, 23 de junho de 2009

PARA ANNE CAROLINE, QUE ME DISSE ONDE ESTAVA A EMBALAGEM DE SARNILAB:


“Já ia embora, quando percebeu que estava deixando escapar uma ocasião irrepetível. Então discou seis números, com tanta tensão e tanta pressa, que não teve certeza de ser o número de sua casa. Esperou com o coração na boca, ouviu a campainha familiar com seu tom ávido e triste, uma vez, duas vezes, três vezes, e ouviu enfim a voz do homem de sua vida na casa sem ela.

- Alô?

Precisou esperar que passasse a bola de lágrimas que se formou na sua garganta.

- Coelho, minha vida – suspirou.

As lágrimas a venceram. Do outro lado da linha houve um breve silêncio de espanto, e a voz ensandecida pelos ciúmes cuspiu a palavra:

- Puta!

E desligou”.


Tal excerto textual foi escrito pelo colombiano Gabriel García Marquéz, no conto “Só Vim Telefonar” (1978), em que uma moça é internada como louca, acidentalmente, quando entra sem perceber num sanatório internacional, procurando avidamente um telefone para dar notícias do atraso de seu vôo ao marido prestidigitador. A conclusão da estória é tremenda, bem como são tremendas as minhas saudades de meus queridos amigos Rafaéis e a minha crescente submissão voluntária (melhor dizendo: necessária) ao benzoato de benzila. E agradeço muito por ter estado ao lado de Anne Caroline naquela bela sessão nostálgica de um filme do François Truffaut...

Wesley PC>

Um comentário:

Ay disse...

Ê saudades...